Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Economia’

Biblioteca Nacional – Rio de Janeiro

(Crédito: MARCOS D’ PAULA/AGÊNCIA ESTADO/AE/Codigo imagem:22320 AE)

Read Full Post »

*

Imagem definida mostra o solo de Marte, parecido com deserto de Mojave, nos EUA

(Foto: Nasa/JPL-Caltech)

Ao todo, o Curiosity leva consigo dez instrumentos científicos, com uma carga 15 vezes maior que os veículos Spirit e Opportunity, que estão em Marte desde 2004 – o primeiro foi desativado em 2010 e o segundo se concentra em procurar água.

Um dos instrumentos do novo jipe-robô funciona a laser e serve para analisar, a distância, a composição química das rochas. Além disso, uma broca e uma colher no braço dele vão ajudá-lo a recolher amostras, peneirá-las e avaliá-las no laboratório em seu interior.

Por conter todo esse kit científico, o Curiosity é duas vezes mais comprido e cinco vezes mais pesado que seus antecessores.

*

Sombra do Curiosity surge no chão nesta foto em alta resolução tirada pelo robô

(Foto: Nasa/JPL-Caltech)

*

Read Full Post »

O modelo Motomachine da Gurgel produzido com
várias cores

Depoimento de quem tem um Gurgel:

A linha Gurgel também investiu nos carros fora-de-estrada. Sabrina Saito dirige pelas ruas de Campinas um modelo X-12, ano 1976, que está na família desde que saiu da concessionária.

“Minha família tem um sítio em Itanhaém, no litoral paulista, e nenhum carro com tração quatro por quatro chegava até lá. Somente o Gurgel”, conta Sabrina, que está reformando o carro, que deixou de ser branco e foi pintado de vermelha, a cor predileta da herdeira do X-12. O carro é “pau para toda obra”. “Passo pelos buracos das ruas, mando ver. Agora, estou planejando uma viagem por alguns estados, porque ele é muito forte”, completa.

(Foto: Divulgação/Gurgel Campinas)

********************************************************************************

Ricardo Gurgel, sobrinho do fundador da Gurgel, lembra que a marca também apostou nos carros elétricos, uma realidade presente na indústria automobilística atual. “Esse reconhecimento do Gurgel hoje é bem legal. O que ele fez não foi em vão. Ele era um homem à frente do seu tempo”, comenta o sobrinho, proprietário de um BR-800, de um Motomachine e de um Xef.

*

*

“Nós somos muito assediados. É tipo assim, o cara já chega perguntando se você vende carro. Quando trafego pelas rodovias Anhanguera e Bandeirantes, os motoristas de caminhões buzinam e me perguntam por que o carro anda tanto”, afirma um dos fundadores do Clube Gurgel Campinas João Domingues da Fonseca Filho, o Tatá, proprietário de um BR-800, carro de dois cilindros que é menor do que um Ford K, mas que chama a atenção por onde passa.

“Quando paro perto de uma van escolar, a criançada fica louca porque ele parece de brinquedo”, conta o gráfico André Fontes Seixas, também proprietário de um BR-800. O carro chama mesmo a atenção por onde passa. Em uma volta rápida pelas ruas do Jardim Eulina, em Campinas, duas mulheres interromperam a caminhada para ver o BR-800 passando.

O BR-800 de Seixas foi exposto até da Bienal de Design, em Curitiba (PR). “O Gurgel fez o carro certo no país errado”, lamenta o gráfico. Hoje rodam pelas ruas do País carros pequenos e importados, um conceito que Gurgel não conseguiu implantar com tanto sucesso no Brasil nas décadas de 1980 e 1990.

****************************************************************

A montadora Gurgel, em Rio Claro (SP), fechou as portas em 1994, mas os carros da marca genuinamente brasileira, fruto do sonho do empresário João Augusto Conrado do Amaral Gurgel rodam firmes e fortes pelas ruas, estradas e trilhas do Brasil. E os modelos ganham cada vez mais assédio de novos fãs e o reconhecimento em um país onde carros importados ocupam cada vez mais espaço nas ruas. Como uma amostra da importância, os automóveis Gurgel serão os homenageados do encontro de carros antigos no domingo (29), organizado pelo V8&Cia, no Galleria Shopping, em Campinas (SP).

*

Luciano Calafiori Do G1 Campinas e Região

27/07/2012 10h29 – Atualizado em 27/07/2012 11h06

Read Full Post »

Da coleta da castanha-do-Pará (também chamada de castanha-do-Brasil) embaixo de árvores que ultrapassam 40 metros de altura – entre as mais altas da Amazônia – à luta pela abertura de mercados consumidores no Brasil e no exterior, as comunidades indígenas Kayapó são testemunhas de que o fortalecimento dos pilares da sustentabilidade é o caminho mais viável para garantir o futuro da floresta. Mas, reconhecem, também, que essa não é uma tarefa nada fácil, nem mesmo para povos assim tão guerreiros.

Apoiadas por ONGs desde o início desta década, quando foi vislumbrado o potencial de geração de renda no longo prazo oferecido pela castanha, as comunidades Kayapó vêm lutando para agregar valor ao produto que tem a cara do Brasil. Desde então, um longo caminho tem sido trilhado para o fortalecimento dessa cadeia produtiva que é considerada extremamente promissora, embora tenha inúmeros obstáculos pela frente. Participam desse esforço, organizações como a Associação Floresta Protegida (AFP), Conservação Internacional Brasil (CI-Brasil), Instituto Raoni, e Instituto Kabu, entre outras.

Entre as dificuldades a superar, Adrian Garda, diretor do Programa Amazônia, da CI-Brasil destacou a necessidade de armazenagem adequada, garantia de certificação, além de atendimento às exigências fitossanitárias para a castanha, seja in natura, em óleo, além de outras formas. Os produtos têm forte apelo no exterior, diz ele, onde existe mais espaço para orgânicos, fair trade (comércio justo), além de outros diferenciais, mas chegar lá não é fácil.

A busca por atendimento às exigências dos importadores, no caso do óleo de castanha, muito usado pela indústria de cosméticos, está no caminho certo e tem grande capacidade de alcance social, segundo Garda, embora o processo exija mais ações de longo prazo. Para ele essa é uma importante alternativa de manutenção da floresta de pé, que foge ao modelo de exploração madeireira e mineral que impera na região. “Nossa intenção é que esse projeto sirva de modelo para replicar”, explica.

Adriano Jerozolimski que, coordena a AFP desde janeiro de 2007, conta que a associação indígena é parceira local da CI-Brasil e representa, atualmente, oito comunidades Kayapó localizadas no sul do estado do Pará. “O desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis, baseado no uso de produtos florestais não madeireiros, é uma das principais estratégias implementadas pela AFP para diminuir a vulnerabilidade das comunidades Kayapó quanto ao envolvimento com atividades ilegais e predatórias, que resultam em grande impacto ambiental e social”, explica.

A preocupação tem um grande motivo: espalhadas ao longo de 11 milhões de hectares, as aldeias Kayapó representam a maior área de floresta em boas condições de conservação que restaram entre o sul do Pará e norte do Mato Grosso, região conhecida como o Arco do Desmatamento da Amazônia. Nessas Terras Indígenas, que resguardam grande riqueza ambiental, social e cultural, vivem mais de 7 mil pessoas, das quais cerca de 1,7 mil são beneficiadas com as ações da AFP focadas na produção de castanha in natura.

Guerreiros lutam pela sustentabilidade
O caminho para garantir o futuro da floresta Por Elizabeth Oliveira*
Foto Cristina G. Mittermeier

(http://www.sergipe.com.br/balaiodenoticias/elizabeth_120.htm)

Read Full Post »

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Read Full Post »

Laboratório onde o Bóson de Higgs foi detectado – Genebra – Suíça

Vista da superfície sobre o LHC.

Comprimento: 27 km, visto no círculo maior da imagem.

Hoje o euro está em R$ 2,59. Mesmo o euro tendo entrado em circulação em 1999, e o valor dele ter flutuado muito,

vamos usar o valor dele no dia de hoje para calcular.

8 bilhões de Euros = 20,7 bilhões de reais.

Sendo assim o LHC gastou 1,035 bilhão de reais por ano, enquanto nossos políticos desviaram:

10,5 bilhões por ano.

Ou seja 10 (DEZ) vezes mais do que um investimento para avanço da ciência que trará benefícios a todos nós.

Read Full Post »

Garrafas de CERVEJA REUTILIZADAS…

Loja com teto de GARRAFAS RECICLADAS…

De EMBALAGENS DE OVOS…

De TAMPINHAS DE GARRAFA…

Read Full Post »

 

 

Read Full Post »

Read Full Post »

 

Desde que foi criado em 1973 por Martin Cooper, o celular tem evoluído aos trancos e barrancos. Nos primeiros anos, os equipamentos pesavam muito e eram enormes, além de custarem gritantes US$ 4 mil. Hoje em dia, praticamente qualquer um pode ter um aparelho de baixo custo, pesando menos de 0,5 kg e menor do que a mão. Acompanhe com o TechTudo a história dos telefones celulares!

Anos 80: os primeiros anos

O ex-empregado da Motorola Martin Cooper apresentou ao mundo o primeiro celular, o Motorola DynaTAC, em 3 de abril de 1974 (cerca de um ano após a sua criação). De pé, perto do hotel New York Hilton, ele fixou uma estação base no outro lado da rua. O feito funcionou, mas apenas quase uma década depois o telefone particular finalmente chegou a público.

DynatacDynatac (Foto: Divulgação)

Em 1984, a Motorola liberou o Motorola DynaTAC ao público. Ele continha um teclado numérico de base, um display de uma linha e uma bateria deplorável com apenas uma hora de duração em tempo de conversação e 8 horas em modo de espera. Mesmo assim, era revolucionário para a época, razão pela qual apenas os mais ricos dos ricos podiam se dar ao luxo de comprar um ou pagar para o serviço de voz que custava US$ 50 por mês, não incluindo US$ 0,40/minuto durante o pico e US$ 0,24/minuto em outros horários.

O DynaTAC 8000X tinha 33 cm de altura, 4,5 cm de largura e 8,9 cm de espessura. Pesava 794 g, e era capaz de memorizar até 30 números. A tela de LED e a bateria relativamente grande mantinham o seu design meio “encaixotado”. Funcionava na rede analógica, ou seja, NMT, tendo sido descontinuado apenas em 1994.

1989: a inspiração para telefones com flip

Seis anos após o DynaTAC aparecer, a Motorola deu mais um passo, apresentando o que se tornou a inspiração para o primeiro telefone de flip. Chamado de MicroTAC, este dispositivo analógico introduziu um revolucionário projeto: nele, o dispositivo de captura de voz era dobrado sobre o teclado. Além disso, ele media apenas 9 cm de comprimento e pesava menos de 0,5 kg, tornando-o o mais leve aparelho celular já produzido.
Anos 90

Foi durante os anos 90 que o tipo de tecnologia moderna de celular que você vê todos os dias começou a se formar. As primeiras mensagens de texto, processadores de sinais digitais e de alta tecnologia (redes iDEN, CDMA, GSM)  brotaram durante este período tumultuoso.

anos90Modelos famosos nos anos 90 (Foto: Reprodução)

1993: primeiro telefone PDA

Em 1993, a IBM e a BellSouth se uniram para lançar o Comunicador Pessoal Simon, o primeiro telemóvel a incluir funcionalidades de PDA. Não só poderia enviar e receber chamadas de voz, mas também servia como um livro de endereços, calculadora, pager e fax. Além disso, ele ofereceu pela primeira vez o touchscreen, que permitia que clientes usassem os dedos ou uma caneta para fazer chamadas e criar notas.

1996: primeiro telefone com flip

Meia década após o lançamento do MicroTAC, a Motorola lançou uma atualização conhecido como o StarTAC. Inspirado por seu antecessor, o StarTAC se tornou o primeiro telefone flip de verdade. Operou em redes GSM nos Estados Unidos, e incluía o suporte para mensagens de texto SMS, acrescentou funções digitais como uma agenda de contatos e foi o primeiro celular a suportar bateria de lítio. Além disso, o dispositivo pesava apenas 100 g.

Nokia6160Nokia 6160 (Foto: Divulgação)

1998: primeiro telefone em barra

Nokia apareceu em cena em 1998 com o telefone em barra, o Nokia 6160. Pesando apenas 160 gramas, o dispositivo ostentava um display monocromático, antena externa e uma bateria recarregável com um tempo de conversação de 3,3 horas. Por causa de seu preço e facilidade de uso, o Nokia 6160 acabou se tornando dispositivo mais vendido da Nokia da década de 90.

1999: precursor do smartphone BlackBerry

O primeiro dispositivo celular BlackBerry apareceu no final dos anos 90 como um Pager bidirecional. Ele apresentava um teclado QWERTY completo e poderia ser usado para transmitir mensagens SMS, e-mails e páginas. Além disso, ele ofereceu um display de 8 linhas, um calendário e um organizador. Devido a uma falta de interesse em dispositivos móveis de e-mail no momento, o aparelho foi usado tão somente por aqueles indivíduos que trabalhavam na indústria corporativa.


Anos 2000: a era smartphone

O novo milênio trouxe consigo o surgimento de câmeras integradas, redes 3G/GPRS/EDGE e smartphones, bem como a divulgação final da rede celular analógica em favor do trabalho em rede digital.

sony-ericssonSony Ericsson (Foto: Divulgação)

Com intuito de otimizar o tempo e trazer mais facilidades ao dia a dia, o smartphone se tornou indispensável, pois tornou possível navegar na Internet, ler e editar arquivos de textos, planilhas e acessar seus e-mails rapidamente.

2000: primeiro telefone bluetooth

O T36 Ericsson introduziu a tecnologia Bluetooth para o mundo celular, permitindo assim aos consumidores a conexão sem fio em seus telefones para seus computadores. O telefone também ofereceu conectividade no mundo inteiro através 900/1800/1900-band GSM, a tecnologia de reconhecimento de voz e Aircalendar, uma ferramenta que permitia ao consumidor receber atualizações em tempo real ao seu calendário ou agenda de contatos.

2002: primeiro smartphone BlackBerry

Em 2002 a Research in Motion (RIM) finalmente deslanchou. O PDA BlackBerry foi o primeiro a apresentar conectividade celular. Operando ao longo de uma rede GSM, o BlackBerry 5810 permitiu aos usuários enviar e-mails, organizar seus dados e preparar memorandos. Infelizmente, faltou nele um alto-falante e um microfone, ou seja, seus usuários eram obrigados a usar um fone de ouvido com um microfone acoplado.

Sanyo-SCPSanyo SCP (Foto: Divulgação)

2002: primeiro celular com câmera

A Sanyo SCP-5300 eliminou a necessidade de comprar uma câmera, pois foi o primeiro aparelho celular a incluir uma câmera integrada com um botão dedicado ao snapshot. Infelizmente, foi limitado a uma resolução de 640×480, zoom digital de 4x e 3 m de alcance. Independente disso, os usuários do telefone podiam tirar fotos em movimento e depois enviá-las para o seu PC utilizando uma suíte de software.

2004: primeiro telefone ultra fino

Antes do lançamento do Motorola RAZR V3 em 2004, os telefones tendiam a serem grandes e volumosos. O Razr mudou isso com seus ínfimos 14 mm de espessura. O telefone também incluía uma antena interna, um teclado gravado quimicamente e azul de fundo. Era, em essência, o primeiro telefone criado para não só fornecer grande funcionalidade, mas também exalar estilo e elegância.

ios4iPhone 4 (Foto: Divulgação)

2007: Apple iPhone

Quando a Apple entrou no setor de telefonia celular em 2007, tudo mudou. Apple substituiu o teclado convencional por um teclado touchscreen multi-touch que permitia que os clientes se sentissem como se estivessem fisicamente manipulando as ferramentas do celular com os dedos: clicar em links, alongar/encolher fotos e folhear álbuns. Além disso, ele trouxe a primeira plataforma cheia de recursos para telefones celulares. Era como se eles pegassem um sistema operacional de um computador e colocassem em um minúsculo telefone.
2012: atualmente

Só se passaram dois anos desde a virada da década e a tecnologia de telefonia celular só aumenta. A tecnologia 4G está em ascensão, o iPhone está em sua quinta geração e os smartphones mais tecnológicos podem gravar vídeos FullHD, reproduzir filmes completos e servir como um hotspot móvel para outros dispositivos. Se em tão pouco tempo o celular evoluiu tanto, imaginem quantas ferramentas estarão disponíveis para os próximos anos.

(techtudo.com.br/artigos/noticia/2012/06/historia-dos-telefones-celulares)

 

Read Full Post »

Older Posts »